Rede Social


terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Oscar 2017: Confira os Favoritos na Categoria Melhor Filme Estrangeiro

Continuando nossa coluna sobre a corrida para o Oscar 2017, hoje, trouxemos para vocês os 5 favoritos ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, de acordo com a crítica de Ricardo Odilec, especialista em sétima arte. Ele nos contou quais longas têm grandes chances de levar a estatueta mais desejada do cinema. 

Quer saber quais são? Confira, abaixo, os cinco favoritos: 


Como sempre no cinema de Farhadi, uma situação cotidiana inicial se desenrola numa sucessão de desdobramentos inimagináveis. Para isso, o diretor habilmente deixa muitas sugestões e insinuações no ar, nunca confirmando todas as informações que surgem. Interessado em discutir os ruídos na comunicação no âmbito familiar moderno, Farhadi brinca com o espectador, soltando informações no seu devido tempo para transformar a narrativa e rumar com sua história para direções imprevisíveis. Por exemplo, nunca fica claro que tipo de agressão Rana sofreu no apartamento, se apenas apanhou ou se foi também violentada sexualmente. A violência sofrida por ela, independente de qual tenha sido, cria uma ruptura na sintonia entre o casal, que passa a não conseguir se entender ou se comunicar devidamente. Emad só quer saber de vingança, Rana só quer esquecer e se mudar daquele lugar. Ambos atores, à noite se transformam para encenar A Morte do Caixeiro Viajante, no qual também são um casal em crise, e logo o filme começa a buscar respostas e sugestões nos diálogos travados entre Emad e Rana.

País: Irã
Filme: O Apartamento

O filme traz à luz do dia um capítulo pouco conhecido da história da Segunda Guerra Mundial sobre um grupo de jovens prisioneiros de guerra forçados a retirar milhões de minas terrestres das praias dinamarquesas. Uma história onde o amor, o ódio e a reconciliação vivem lado a lado.

País: Dinamarca
Filme: Land of Mine

O longa de Xavier Dolan é sobre a falta de comunicação, sobre laços impossibilitados de serem reatados. Um filme em que os personagens não conseguem se ouvir. Nos gritos e na montagem em excesso, o que há em É Apenas o Fim do Mundo é uma sobreposição de falas que estão ali apenas para agredir. No longa, há o caos, um estado permanente em que aquelas personagens se encontram. Não é um cinema de movimentos dramáticos, mas de uma trama que gira em torno de si mesma, como se nada captado pelas câmeras fosse mudar o que se vê, num constante movimento sem direção, sentido ou até mesmo objetivo. Parece contraditório, mas é um filme muito bem desenvolvido que vale a pena ser assistido. 

País: Canadá
Filme: É Apenas o Fim do Mundo

O filme, que se passa na época da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto, retrata o destino cruzado de três personagens centrais: Olga (Iúlia Visotskaia), uma aristocrata russa e membro da resistência francesa; o francês Jules (Philippe Duquesne); e o oficial de alta patente das tropas nazistas chamado Helmut (Christian Clauss). Uma história intrigante e envolvente.

País: Rússia
Filme: Paraíso

O filme de Maren Ade pode ser perfeitamente compreendido dentro do cinema autoral alemão deste novo milênio. Toni Erdmann é uma comédia sobre reaproximação, que tem como objetivo secundário explorar as máculas da vida de negócios a partir da visão feminina – vítima de constantes pressões e, até mesmo, de assédios. Neste caso, a presença de Winfried é usada para quebrar o gelo em um ambiente executivo – teoricamente sério e fechado.

País: Alemanha
Filme: Toni Erdmann

Muito legal esses longas que Ricardo Odilec trouxe pra gente, né? Somos muito fãs de filmes estrangeiros. Ao invés de focarem nas superproduções, procuram explorar temas fortes e possuem roteiros extremamente envolventes e inteligentes. Vocês não acham? 

Se você curte muito filmes, vai adorar os posters da nossa loja! Quadros de grandes sucessos do cinema para você arrasar na decoração. Acessa o site e confira: www.mundominimalista.com.br ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário